quinta-feira, agosto 30, 2012

Ventos

Ventos, mares, odisseias de pensamento
Distantes da prosa dos dias
Volumes de livros esquecidos lá no alto
Da estante
Cheios de pó

Estrelas, ondas, luares de mágica inquietação
Inalcançáveis sem mapa de cruz
Não há tempo
Não se atrevam a pensar
Pare-se ou morra-se

Não vamos morrer!
Não queremos morrer!
Um outro sistema!
Um outro poema!

Tempestades, maremotos, centopeias de momentos
Presentes na prosa dos dias
Volumes de discos velhos de ouvir
Da estante
Cheios de pó

Estrelas, ondas, luares de mágica inquietação
Inalcançáveis sem mapa de cruz
Não há tempo
Não se atrevam a pensar
Pare-se ou morra-se

Não vamos morrer!
Não queremos morrer!
Um outro sistema!
Um outro poema!



1 comentário:

Sandro Dias disse...

Passei por cá!
Abraço grande